Não sei

Não sei

As crianças são conhecidas pela sua curiosidade. Exploram coisas e fazem milhares de perguntas para descobrir e entender o mundo à sua volta.

Mas fazem-no livres de preconceitos. De medos. De auto-limitações.

Em Mindfulness, esta  atitude (encantadora) designa-se de Beginner’s Mind. E é altamente potenciadora!…

Já com os adultos a coisa parece ser bem diferente. Os adultos gostam muito de opinar acerca do mundo que os rodeia, de ter certezas sobre as coisas, sobre os acontecimentos e sobre os outros.

Ter a certeza que “já sei o que vais dizer” (ou mais extraordinário ainda) “já sei o que estás a pensar”, ter a certeza que “algo está errado porque eu não o faria assim”, ter a certeza sobre  “o que vai acontecer” ou simplesmente querer ser o melhor em tudo, querer fazer tudo de forma excelente, querer ser perfeito nas mais diferentes áreas ou achar que uma crítica é uma ofensa grave ao seu esforço, pode ser tão desgastante quanto ineficaz.

Será que os adultos têm um medo escondido de parecerem ignorantes, patetas ou distraídos? Será por isso que preferem acreditar (e fazer acreditar) que “eu já sabia!” do que simplesmente acreditar que “Não sei.”?

Imagina todo o potencial de exploração que perdes quando te fechas num saber que só te limita, quando desistes de encontrar novas soluções, de procurar fora da caixa, de explorar outras  perspetivas ou simplesmente de assumir qua a tua verdade é apenas a tua verdade. E que, por isso, há tantas outras, quantas pessoas existem à face da terra.

Quando estás a sempre a pensar que sabes, que já sabes, que tens que mostrar que sabes, que os outros têm que acreditar que tu sabes, e que, o que sabes é a verdade sobre o mundo, o teu comportamento será o de não procurar saber mais. E, assim, acabas por te limitar, por limitar a tua visão do mundo e por te impedires, a ti próprio de aceder a um mundo de infinitas possibilidades.

Por isso, hoje deixo-te um desafio.

Em vez de te focares em pensamentos do tipo “Já sei” (em relação a acontecimentos, coisas ou factos exteriores a ti) e deixares-te levar por sentimentos negativos, crenças limitadoras e estados de ansiedade que em nada te ajudam a crescer, experimenta focar-te num pensamento:

– Eu “não sei” tudo sobre isto!

Foca-te no que não sabes e permite-te deixar em aberto todo um espaço de descoberta, de surpresa e de fascínio que te fará estar na vida, sempre, com o espírito tão livre como o de uma criança.

Deixe uma resposta